MAS QUE CULTO É ESTE? REFORMADO É QUE NÃO É!

Até a década de 1970 as liturgias utilizadas nos cultos não apresentavam tantos problemas como os que existem hoje. Mesmo no meio pentecostal, considerando as práticas culturais, não se via nada parecido com o que se faz atualmente. Mas há cinquenta anos houve uma enxurrada de esquisitices que começaram a desfigurar ainda mais o culto outrora relativamente simples.

Até mesmo nas igrejas de tradição reformada já se percebe a presença de práticas e costumes estranhos que nada têm a ver com as Escrituras. Isto ocorre porque estas igrejas, embora teoricamente reformadas, na prática utilizam o Princípio Normativo em detrimento do Princípio Regulador, este ensinado nos Símbolos de Fé.

Numa explanação rápida, Princípio Normativo, método proposto por Lutero, baseia-se em dois aspectos. O primeiro, na afirmação de que aquilo que não é proibido nas Escrituras é permitido no culto. Consequentemente temos o segundo que incentiva a utilização dos quatro sentidos humanos por parte da igreja no momento da adoração: a visão (aparatos e indumentária), o olfato (incenso), a audição (ouvir a pregação) e a fala (cânticos, leituras e orações). É por este motivo que o culto de tradição luterana é rico em rituais e na utilização de objetos litúrgicos.

Já o Princípio Regulador, este adotado pela tradição Reformada, afirma que aquilo que não encontramos nas Escrituras deve ser proibido no culto. Para uma compreensão melhor, vejamos o que diz a Confissão de Fé de Westminster sobre o assunto no capítulo 21, item primeiro:

A luz da natureza mostra que há um Deus que tem domínio e soberania sobre tudo, que é bom e faz bem a todos, e que, portanto, deve ser temido, amado, louvado, invocado, crido e servido de todo o coração, de toda a alma e de toda a força; mas o modo aceitável de adorar o verdadeiro Deus é instituído por ele mesmo e tão limitado pela sua vontade revelada, que não deve ser adorado segundo as imaginações e invenções dos homens ou sugestões de Satanás nem sob qualquer representação visível ou de qualquer outro modo não prescrito nas Santas Escrituras.

Vejamos também o que afirma a Confissão Batista Londrina, no capítulo 22, item primeiro diz:

A luz da natureza mostra que existe um Deus, que tem senhorio e soberania sobre todos, que é justo, bom, e faz o bem a todos; e que, portanto, deve ser temido, amado, louvado, invocado, crido e servido, de todo o coração, de toda alma, e com todas as forças. Mas a maneira aceitável de se cultuar o Deus verdadeiro é aquela instituída por Ele mesmo, e que está bem delimitada por sua própria vontade revelada, para que Deus não seja adorado de acordo com as imaginações e invenções humanas, nem com as sugestões de Satanás, nem por meio de qualquer representação visível ou qualquer outro modo não descrito nas Sagradas Escrituras.

Portanto, o culto reformado utiliza apenas dois sentidos humanos: a audição (ouvir a pregação) e a fala (cânticos, leituras e orações). Muitos inconformados com esta simplicidade extrema dirão que os sacramentos são manifestações que ensinam por meio da visão. De fato, isto é totalmente verdadeiro. Todavia, quem instituiu os sacramentos foi o Senhor Jesus, por isso devem ser realizados, lembrando que não há mais nada além dos sacramentos como didática visual litúrgica, ou seja, a existência dos sacramentos não justifica a inserção de outras ações visuais que o Senhor não determinou.

Neste sentido, embora haja exceções, muitas igrejas reformadas no Brasil são muito mais influenciadas pela tradição luterana do que pela tradição reformada. E para provar isso, trago apenas algumas práticas da atualidade que passaram a fazer parte do culto, mas que não são ordenadas por Deus nas Escrituras com respeito ao culto cristão.

1. A indumentária: A vestimenta parece ocupar um lugar de destaque nos cultos solenes de algumas igrejas quando o pregador deve aparatar-se para dirigir o culto ou para expor as Sagradas Escrituras. Refiro-me ao uso obrigatório da toga, da gola clerical ou do terno e gravata, pois caso não esteja assim vestido, o liturgo e o pregador são proibidos de subir ao púlpito para desempenhar o seu ministério. Nada contra estas vestimentas em si, são até elegantes, também não se está defendendo aqui o relaxamento ou a displicência no traje, pois há a necessidade de se estar decentemente trajado para a ocasião do culto como forma de respeito ao Senhor Deus e aos demais presentes. O problema é quando o liturgo e o pregador se destacam dos demais por aquilo que está trajando. É claro que encontramos regiões no Brasil onde a utilização do terno e gravata é bastante comum quando a maioria dos homens vai assim trajada para adorar, neste caso, não há problema algum o pregador estar vestido assim uma vez que não há distinção ou exclusão diante dos demais presentes na congregação. O problema é quando vamos a certas regiões do Brasil onde o calor ou os costumes locais impedem a utilização do terno e gravata, neste caso, o traje se torna um elemento distintivo e até mesmo excludente. E isto é um equívoco diante da simplicidade requerida no momento da adoração.

2. Avisos e saudação aos visitantes: Em muitas igrejas são comuns os avisos e saudações como parte da liturgia. Mas se pensarmos que o culto deve conter somente aquilo que glorifica ao Senhor Deus pela centralidade de Cristo, pergunto: em que adoramos a Cristo ao trazer informes e saudar os visitantes? Ninguém pode negar a quebra do ritmo da adoração e da glorificação do Criador. Ninguém pode negar que há a descentralização de Cristo para a centralização do homem. E isso em nada glorifica a Deus no momento da liturgia.

3. Imagens de fundo na projeção das músicas: Na projeção das músicas por meio do projetor multimídia, imagens são utilizadas como “pano de fundo”. São lindas paisagens, flores, plantas, pequenos animais, Bíblias abertas ou, lamentavelmente, imagens de Cristo ou do Espírito Santo representado por uma pomba (numa quebra frontal do segundo mandamento). Tais imagens tiram a atenção de muitos que se desconcentram daquilo que estão fazendo. Em vez de focarem o coração e a mente na adoração, se distraem ao admirar a beleza da imagem projetada. Isto é uma quebra da concentração naquilo que é o principal quando a distração surge por causa daquilo que é absolutamente desnecessário.

4. Pantomimas e encenações: Muitos pastores amam aplicar a exposição das Escrituras utilizando o recurso da pantomima ou do teatro sob a alegação de que a compreensão da mensagem deve ser facilitada. Todavia, excetuando a ministração dos sacramentos de Cristo, nada mais deve ser encenado no culto, uma vez que estas encenações retiram a solenidade geradora do temor e do profundo respeito diante da presença especial do Senhor Deus cultuado. Ou seja, o teatro e a pantomima são muito mais entretenimento do que comunicação das Escrituras adequada ao culto solene.

5. Culto Infantil: Outra prática estranha às Escrituras é o conhecido culto infantil. A justificativa é uma só, a criança não pode assimilar a pregação e, ao mesmo tempo, deve ser treinada a se comportar no culto dos adultos. Temos que reconhecer que a presente justificativa para esta prática não é bíblica, mas psicopedagógica. E esta imposição ocorre em detrimento da ordem do Senhor que deseja a presença das crianças no culto solene inteiro, e não só das pequeninas, mas também das que ainda mamam (2 Crônicas 20.13; Josué 8.35; Ne 12:43; Joel 2:15). Portanto, retirar as crianças do culto para um lugar à parte é totalmente estranho ao Evangelho.

Diante do exposto, quero concluir com duas afirmações. Primeiro, desafio os defensores de algum item acima descrito para que apresentem textos nas Escrituras Sagradas que justifiquem tais costumes. Lembrando que o nosso princípio como crentes reformados é o Princípio Regulador (não faz parte do culto aquilo que Deus não ordenou). Segundo, afirmar que o problema destas inserções ocorre porque se convencionou que estas “em nada ferem o objetivo principal da adoração, pelo contrário, auxiliam no decorrer da liturgia” é um erro do ponto de vista da doutrina reformada. Ao contrário, constataremos que as Escrituras e os Símbolos de Fé são violados naquilo que regulam quando se insere aquilo que o Senhor não determinou.

Sejamos honestos, se somos confessionais, então devemos ser criteriosos em tudo que fazemos no Reino de Deus, principalmente quando reunimos a Igreja no dia do Senhor para adorá-lo.


Sola Scriptura.

10 comentários:

Henrique Machado disse...

Reverendo, muito bom o artigo. Procurando listar outros elementos que não se adequam ao Princípio Regulador, cheguei a conclusão de que as apresentações de corais também não poderiam acontecer no contexto do culto, uma vez que sua participação não é "congregacional", pois não envolve a congregação que limita-se a assistir, e não a participar deste momento.
Além do óbvio, de que não há menção de corais nas Escrituras (além das visões apocalíticas, é claro). O senhor também é contra a apresentação de corais, assim como é contrário ao culto infantil?

Henrique Machado disse...

Reverendo, muito bom o artigo. Procurando listar outros elementos que não se adequam ao Princípio Regulador, cheguei a conclusão de que as apresentações de corais também não poderiam acontecer no contexto do culto, uma vez que sua participação não é "congregacional", pois não envolve a congregação que limita-se a assistir, e não a participar deste momento.
Além do óbvio, de que não há menção de corais nas Escrituras (além das visões apocalíticas, é claro). O senhor também é contra a apresentação de corais, assim como é contrário ao culto infantil?

Lucas Dantas Gueiros disse...

Muito bom o texto! De acordo com o Princípio Regulador realmente essas práticas são totalmente estranhas. Obrigado, não conhecia toda essa teoria dos princípios, já tinha ouvido coisas próximas a isso sendo ensinadas em algumas igrejas, mas nunca tinha visto com clareza o suficiente para entender a contradição entre esses ensinamentos e as práticas nas mesmas igrejas.
A propósito, sou episcopal e, por isso, acredito que o culto deve ser realizado conforme a Tradição da Igreja indivisível (11 primeiros séculos), sempre subimissa as Sagradas Escrituras e ao Espíritio Santo. Então, mesmo não concordando com o Princípio Regulador, tenho que concordar com sua afirmação de que as igrejas que adotam tal princípio o contradizem com essas práticas. Parabéns pelo texto!

Anônimo disse...

Olá, li seu artigo...poderia aqui escrever muitas coisas...mas uma pergunta : se fosse pra cada um ter o seu mundo, imagine quantos planetas existiriam...dos que já existem. Certo dia fui visitar uma igreja(outra denominação),eu entrei,sentei,pessoas chegaram..no culto eu levantei,louvei,sentei novamente,ofertei,ouvi a mensagem,orei(tudo isso fazia parte do culto). A Palavra foi maravilhosa como sempre...mas a educação das pessoas me incomodou,nem a pessoa que sentou ao meu lado me cumprimentou...pois bem, na igreja que congrego jamais um visitante sai sem ser cumprimentado e abraçado...pessoas tem sentimentos,um aperto de mão não fere ninguém...abracei vários moradores de rua e no hospital,e nunca peguei doença de nenhum deles. Eu não volto em uma loja,restaurante,etc...onde não sou bem atendido, pode estes terem otimas roupas ou ótimo tempero.
A Paz.

linux on the head disse...

Olá, li seu artigo...poderia aqui escrever muitas coisas...mas uma pergunta : se fosse pra cada um ter o seu mundo, imagine quantos planetas existiriam...dos que já existem. Certo dia fui visitar uma igreja(outra denominação),eu entrei,sentei,pessoas chegaram..no culto eu levantei,louvei,sentei novamente,ofertei,ouvi a mensagem,orei(tudo isso fazia parte do culto). A Palavra foi maravilhosa como sempre...mas a educação das pessoas me incomodou,nem a pessoa que sentou ao meu lado me cumprimentou...pois bem, na igreja que congrego jamais um visitante sai sem ser cumprimentado e abraçado...pessoas tem sentimentos,um aperto de mão não fere ninguém...abracei vários moradores de rua e no hospital,e nunca peguei doença de nenhum deles. Eu não volto em uma loja,restaurante,etc...onde não sou bem atendido, pode estes terem otimas roupas ou ótimo tempero.
A Paz.

Jean Queiroz disse...

Se o principio da igreja reformada é o Princípio Regulador (não faz parte do culto aquilo que Deus não ordenou), Então porque se batizam crianças uma vez que as escrituras afirmam que o batismo de João é pra arrependimento?
"Apareceu João batizando no deserto, e pregando o batismo de arrependimento, para remissão dos pecados.

Marcos 1:4

Alfredo de Souza disse...

Sera? Então com entender Atos 19.3-5

"Então, Paulo perguntou: Em que, pois, fostes batizados? Responderam: No batismo de João. Disse-lhes Paulo: João realizou batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, em Jesus. Eles, tendo ouvido isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus."

Pactuantes Brasil disse...

Não batizamos crianças e sim o filhos dos crentes assim como Deus ordenou a Abraão e sua descendência.lembro que a bíblia e uma e não duas como creem os antipedobatistas

Anônimo disse...

Sou presbiteriano,mas não minto : o argumento do batismo infantil é estranho à Escritura , aqueles que pregam a favor deste fazem um malabarismo exegético para justificar tal fim. O comentário do senhor Alfredo de Souza não faz sentido algum...

Alfredo de Souza disse...

Meu comentário foi com relação ao batismo de João.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...